O que é a Programação NeuroLinguística (PNL)?

A PNL é a prática de compreender a organização do pensamento, sentimentos, linguagem e comportamento que as pessoas utilizam e que conduzem aos resultados que obtém. A PNL fornece uma metodologia para modelar, e logo replicar, desempenhos excepcionais alcançados por génios e líderes em todos os campos de atividade humanas .

Nós criamos os nossos mapas mentais internos através da maneira como filtramos e percebemos as informações recebidas do mundo exterior através de nossos cinco sentidos.

Programação é o resultado comportamental observável resultante do processamento consciente e inconsciente da informação presente no meio ambiente externo.

Neuro é o processamento da informação recebida pelos orgãos dos sentidos e a criação dos mapas internos iniciais inconscientes. São as imagens internas, sons, consciência tátil, emoções, gostos e cheiros que o nosso sistema nervoso cria nos primeiros passos de processamento da informação recebida pelos sentidos.

Linguística é quando descrevemos com palavras o resultados dos nossos processos cognitivos inconscientes. Geralmente, neste ponto tentamos criar uma descrição coerente e estável das nossas percepções e escolhas.

Aerial view of Santa Cruz, CA

A história da PNL começou no início dos anos 70 na Universidade da Califórnia em Santa Cruz , com um estudante de matemática, Richard Bandler, um médico veterano do Vietnam , Frank Pucelik, e um professor adjunto de linguística, Dr John Grinder.

Richard unia o interesse sobre computação a um interesse em psicologia, enquanto que Frank interessava-se pela terapia. Richard e Frank descobriram que, repetindo os padrões pessoais de comportamento de terapeutas Gestalt famosos, conseguiam resultados terapeuticos positivos similares. Esta descoberta tornou-se a base para a abordagem inicial de PNL conhecida como Modelagem da Excelência Humana.

John Grinder

O interesse de John Grinder pela psicologia alinhava-se com o objectivo básico da linguística – revelar a gramática oculta do pensamento e da acção.

Descobrindo a semelhança entre os seus interesses, eles decidiram combinar os respectivos conhecimentos de computação e linguística, bem como a habilidade para copiar comportamentos não-verbais, e desenvolver uma “linguagem de mudança”.

Nas noites de terça-feira, Richard Bandler e Frank Pucelik conduziam um grupo de terapia Gestalt, formado por estudantes e membros da comunidade local utilizando como modelo o psiquiatra alemão Fritz Perls. Nas noites de quinta-feira, John Grinder conduzia um outro grupo usando os modelos verbais e não-verbais do dr. Perls que vira e ouvira Richard e Frank usar na terça. Sistematicamente, começaram a omitir o que achavam ser comportamentos do dr. Perls irrelevantes para o resultado terapeutico (o sotaque alemão, o hábito de fumar) até descobrirem a essência das técnicas de Perls – o que o fazia ser diferente de outros terapeutas menos eficazes. Foi assim iniciada a disciplina de Modelagem da Excelência Humana.

Encorajados pelo sucesso inicial aplicaram as mesmas técnicas a estudar os métodos de Virginia Satir, e do filósofo inovador e pensador de sistemas, Gregory Bateson.

Também observaram que pessoas que sofriam de fobias pensavam no objecto de seu medo como se estivessem a passar por aquela experiência no momento (“associados”). Por outro lado, as pessoas que já se tinham libertado de fobias que tinham tido, pensavam nesta experiência de medo como se a estivessem a ver acontecer com outra pessoa – semelhante a observar um parque de diversões à distância (“dissociados”).

Com esta descoberta simples, mas profunda, ensinando sistematicamente pessoas fóbicas a experimentarem os seus medos como se estivessem a observar as suas fobias acontecerem com uma outra pessoa, à distância. As sensações fóbicas desapareceram instantaneamente.

Uma descoberta fundamental da PNL havia sido feita. A forma como pensamos a respeito de uma coisa faz uma diferença enorme na maneira como a vivenciamos.

Ao procurar a essência da mudança nos melhores mestres que puderam encontrar, conseguiram ser apresentados ao Doutor Milton H. Erickson, M.D., fundador da Sociedade Americana de Hipnose Clínica e amplamente reconhecido como o mais notável hipnotizador da altura.

Nos anos seguintes, vários alunos, incluindo Leslie Cameron-Bandler, Judith DeLozier, Robert Dilts e David Gordon dariam importantes contribuições próprias para o desenvolvimento da PNL. Igualmente, Steve Andreas, na época um conhecido terapeuta da Gestalt, com a mulher e sócia, Connirae Andreas, gravaram os seminários de Bandler e Grinder e transcreveram-nos em vários livros.

Hoje, a PNL está na base de muitas abordagens para a comunicação e para a mudança.

Popularizada por Anthony Robbins, John Bradshaw, Carmen Bostic St. Clair, Christina Hall, e outros, a PNL entrou no nosso dia-a-dia em treinos de vendas, seminários sobre comunicação, salas de aula e conversas. Quando alguém fala de Modelagem da Excelência Humana, criar rapport, criar um futuro atraente ou quão “visual” é, está a usar conceitos da PNL.

(Adaptado de “PNL – A Nova Tecnologia do Sucesso” (pág. 32) de Steve Andreas e Charles Faulkner (Tradução brasileira) )


PRESSUPOSTOS DA PNL

A prática e utilização das ferramentas da PNL parte da aceitação de um conjunto de pressupostos básicos que abrem a disponibilidade mental para a mudança.

  • O Mapa não é o território
  • Todo o comportamento tem uma intenção positiva, e o comportamento atual é a melhor escolha disponível
  • Aceite a pessoa, transforme o comportamento
  • Se alguém pode fazer algo, outros podem aprender a fazê-lo também
  • O Corpo e a Mente pertencem ao mesmo sistema
  • Aceite e Respeite o modelo do Mundo de cada um.
  • O significado da comunicação é a resposta que se obtém.
  • Todos temos Todos os recursos de que necessitamos.
  • Se o que está a fazer não funciona, faça outra coisa.
  • A parte do Sistema (pessoa, organização), com o comportamento mais Flexível dominará o Sistema.
  • Errar não existe – só existe Feedback.
  • As coisas são o que são.

Fundamentalmente a PNL constitui-se a um nível prático como um conjunto de tecnicas com o objetivo explicito de aumentar a flexibilidade, e logo o número de alternativas comportamentais disponíveis de cada individuo.

Tem uma filosofia humanista que coloca cada um de nós firmemente ao volante do seu próprio destino.

Advogando que, aconteça o que acontecer, cada um de nós pode, avaliando de uma forma criativa o que a realidade oferece, determinar em grande parte os resultados que obtém na sua vida e nos objetivos que delineia para si próprio.