A ausência congénita de dor

Curiosa e inesperadamente, para aqueles de nós que experienciamos dor no dia-a-dia e como parte integrante da nossa vida, a total ausência de dor é uma das doenças mais pessoalmente devastadoras que podem existir. E, no caso das neuropatias sensoriais autonómicas hereditárias (HSAN), em que se nasce sem a capacidade de sentir dor, é uma patologia frequentemente mortal antes de se atingir a idade adulta.

A ausência de dor impede o corpo de se proteger de agressões, internas e externas. Sem dor, as crianças estão em constante perigo. Engolem algo quente que lhes queima o esôfago. Partem o pescoço em brincadeiras demasiado perigosas. Queimam-se sem saber. Partem ossos e não choram. Por vezes, para proteger os pacientes mais novos, os médicos recorrem ao expediente de lhes remover todos os dentes de leite. Para os impedir de roer os lábios e as pontas dos dedos. Para os impedir de mastigar a língua e sangrar até a morte. Quando a dentição definitiva começa a sair, com sorte, serão suficientemente crescidos para compreender o perigo.

A dor é definida pela International Association for the Study of Pain como uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada com dano real ou possível de tecidos, ou descrita em função desse dano. Existem diversos tipos de dor que podem ter diversas origens corporais e também origem psico-somática ou ilusória.

Estão neste momento identificadas várias mutações no ADN genómico que, quando presentes, levam a que se nasça sem a capacidade de sentir dor. Fala-se então de uma insensibilidade congénita à dor. Também foram identificadas algumas mutações que levam a um excesso de dor, e a sensações dolorosa despoletadas por estímulos normalmente inóquos, havendo genes que, dependendo da mutação que sustentaram, provocam uma ou outra das sintomatologia.

As mutações que promovem a insensibilidade à dor, impedem a transmissão da informação sensorial ao longo das fibras nervosas que sentem a dor corporal e a transmitem ao cérebro, onde se poderia tornar consciente. Algumas das mutações conhecidas impedem o funcionamento das fibras nervosas, enquanto outras impedem o desenvolvimento normal, ou a manutenção viável, dessas fibras no organismo. Sendo células vivas, num organismo preparado para ser plástico e mutável, os neurónios necessitam de receber (e compreender) sinais moleculares, chamados “tróficos”, que permitem ou promovem a sobrevivência celular.

A familia com que nos deparámos tinha cinco crianças afetadas, todas com ausência de dor, incapazes de sentir a temperatura, e que não suavam. Todos tinham dificuldades na cicatrização de feridas e apresentavam ligeiro atraso mental. Encontrámos uma mutação no gene do Nerve Growth Factor (NGF), um fator de crescimento envolvido na sobrevivência celular e na regulação do sistema imunitário. No caso desta familia a mutação identificada impedia a correta secreção da proteína codificada por este gene para o espaço extracelular, onde habitualmente atua.

Os nossos dados sugerem que existe um espectro de sintomas causado por mutações nos genes de NGFB e TRKA que afectam diferentemente a via de sinalização NGFB / TRKA. Quando há uma perda completa da via de sinalização por mutações em qualquer um destes genes, os sintomas que os pacientes apresentam enquadram-se na sintomatologia da HSAN 5.


Publicado por Ofélia Carvalho

Practicioner, Master Practicioner e Trainer de PNL, Consultora do Panorama Social, formação em Comunicação generativa e coaching sistémico, Practitioner de Time Line therapy, Practitioner do Human Validation Model - Virginia Satir. Licenciada em Biologia (FCUL) e Doutorada em Ciências Biomédicas (FMUL) na área das neurociências.

One thought on “A ausência congénita de dor

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: