Só posso falar de mim.

A perspectiva objetivamente subjetiva de uma neurocientista. Por vezes tento ler artigos apenas para concluir que a minha atenção é retida por uma fração infima daquilo que encontro. Quando tento vislumbrar o que separa os artigos que me prendem a atenção, daqueles que começo a ler na diagonal, ou dos quais simplesmente desisto, noto queContinue a ler “Só posso falar de mim.”